Mesquita Al Rifai



A Mesquita Al Rifa'i é um templo muçulmano impressionante no Cairo. É também conhecida como Mesquita Real por ser o local de sepultamento de um certo número de membros da família real egípcia.


Mesquita Al Rifa'i 

Foi construído em dois períodos diferentes, entre 1869 e 1912, por isso é caracterizado por estilos artísticos e arquitectónicos diferentes.

Ao seu lado encontra-se a muito mais conhecida Mesquita do Sultão Hassan, datada do século XIV, que se manteve intacta apesar dos conturbados séculos de história.

Cairo Islâmico

A dimensão colossal da mesquita é mais marcante. É considerada como uma das principais coisas a fazer no Cairo e está localizada em Midan El Qala'a, mesmo por baixo da Cidadela de Salah El -Din, na parte mais central do Cairo islâmico. Pode chegar à Mesquita de Al Rifa'i através de uma entrada mútua partilhada pelas duas mesquitas esta e a mesquita do Sultão Hassan.

Muitas pessoas famosas estão enterradas aqui na Mesquita de Al Rifai, muitas delas pertencem à família de Mohammed Ali - como Kushyar Hanim, que ordenou a sua construção em 1869, e o seu filho, o famoso Khedive Ismail, que remodelou o Cairo e a maior parte do Egipto, bem como o Sudão, que fazia parte do reino egípcio. A mesquita acolheu também o corpo falecido de Mohammed Reza Pahlavi Shah Pahlavi, conhecido por ser o último Xá do Irão antes da Revolução Islâmica, que trouxe o domínio Khomeini. Na mesma sala de enterro encontra-se o filho do Xá, Mohamed Reza Pahlavi, que morreu em 1980, quando se encontrava exilado no Cairo. Outra figura notável enterrada aqui foi Yehya Al Ansari, um guia do Profeta Maomé (que a paz esteja com ele) e o santo local Ali Abu-Shubbak. Embora não esteja tecnicamente enterrado na mesquita, o Xeque Ali Al Rifai, que foi uma figura principal no Cairo islâmico durante os tempos medievais, tem um santuário onde muitos habitantes locais vêm até hoje para rezar e receber algumas das suas bênçãos. Antes da reconstrução maciça, a Mesquita Al Rifai estava localizada no local de uma pequena mesquita chamada Rifai Zawiya e acredita-se que tenha trazido muitos dos seguidores e estudantes do renomado erudito, pode-se visitar a mesquita durante qualquer uma das excursões regulares do Dia do Cairo

Talvez opte por caminhar até à mesquita a partir do castelo da Rua Salah El-Din, e há uma vista interessante das antigas casas egípcias à espera de apreciação. Pode também aproximar-se da mesquita através da Rua Sayeda Aisha, que também o conduzirá ao portão principal. É um portão duplo partilhado tanto por Al-Rifai como pelo Sultão Hassan, terá de o passar pelo scanner ou detector de segurança. As duas mesquitas estão separadas por uma rua pedonal relativamente estreita, e a estrutura maciça da Mesquita Al-Rifai não deveria ser surpreendente se o seu tamanho e capacidade para competir com a vizinha Mesquita do Sultão Hassan, tivesse sido da maior importância.

Quando se caminha brevemente em direcção à entrada da mesquita Al Rifai, uma escadaria alta leva-o a um enorme portal. Como uma espécie de respeito e para evitar confusões, os visitantes da mesquita devem estar prontos a tirar os sapatos antes de entrarem, e as senhoras são gentilmente solicitadas a usar roupas não reveladoras e podem trazer consigo um lenço de cabeça.

A mesquita tem uma grande semelhança em muitas das estruturas modernas. Uma vez dentro, só se pode notar o belo tecto. O ouro foi especialmente importado da Turquia para dourar. Os visitantes devem sentir-se à vontade para vaguear pelo interior desta maravilha arquitectónica. Sugerimos que visite os locais de sepultamento de Khedive Ismail e Reza Shah Pahlavi.

Uma vez terminada a visualização destes padrões islâmicos, sinta-se à vontade para passar as mãos pelo santuário de Al Rifai marcado por luzes verdes na sala, mesmo no meio da mesquita. Pode até ler as suas orações ou fazer um desejo que será certamente satisfeito! Se visitar a mesquita numa sexta-feira de manhã, a maior parte do tempo será tranquila e vazia.

A visita à Mesquita Al Rifai irá familiarizá-lo com a era da monarquia egípcia, outrora de longa duração, e com a sua rica origem islâmica. Ao ver os túmulos do rei Farouk, o último rei do Egipto, e Mohammed Reza Shah Pahlavi, o último Xá do Irão, ajuda a formar uma melhor compreensão tanto das conclusões iranianas como egípcias para as suas monarquias. Talvez nestes tempos, o melhor seja olhar para trás; analisar e aprender os líderes do passado para ter um pequeno vislumbre do futuro possível. 

Visite o Cairo islâmico e lugares muito mais interessantes durante os nossos pacotes de viagem no Egipto, como por exemplo: