O Cristianismo no Egipto | História do Cristianismo Copta no Egipto



O Egipto é um dos primeiros países a pregar a mensagem do Evangelho, e antes disso, o Senhor Jesus Cristo veio em criança com a sua mãe e padrasto José quando o anjo do Senhor lhes ordenou que fossem ao Egipto porque o rei pretendia matar o rei. menino Jesus (Mateus 2: 13-15). A mensagem do Evangelho chegou ao Egipto com o apóstolo Marcos, que escreveu um dos Quatro Evangelhos.


O Cristianismo no Egipto 

Mark pregou o poder e a orientação do Espírito Santo, com Cristo como Senhor, Redentor e Salvador, apelando ao arrependimento, ao regresso ao Deus vivo, à adoração, à obediência, e a deixar inverdades, falsos deuses, a quem eles abrigavam.

A fé cristã espalhou-se entre a comunidade egípcia e o número de crentes começou a aumentar diária e dramaticamente.

História do Cristianismo Copta no Egipto

Igrejas foram construídas em várias partes do Egipto, especialmente na cidade de Alexandria, que era o local de residência do Apóstolo Marcos, e estabeleceu uma escola de teologia para ensinar o evangelho e formar líderes da igreja recém-estabelecida na mesma, e foi também distinguida pela sua antiga biblioteca que incluía referências Antigas escritas teológicas, para além de manuscritos bíblicos. Do Egipto, a mensagem de Cristo foi enviada para os países vizinhos, Kilbia e Sudão, onde Cristo tinha um povo e uma igreja.

O cristianismo é a segunda maior religião no Egipto, e os seus seguidores constituem cerca de 18% da população egípcia. Os cristãos egípcios são frequentemente chamados coptas, e mais de 95% dos cristãos egípcios pertencem à Igreja Ortodoxa Copta, uma das Igrejas Ortodoxas Orientais, e é a maior comunidade cristã do Médio Oriente. A Igreja Ortodoxa Copta ocupa uma posição importante como igreja nacional egípcia. Foi fundada no primeiro século por Marcos o Apóstolo.

Continuou no Egipto, após a conquista islâmica do Egipto. Os coptas no Egipto desenvolveram uma identidade étnica distinta, possibilitando os seus objectivos e perseguindo-os ao longo da história, uma vez que os coptas sofreram perseguições religiosas em diferentes épocas, história, e presente.

Antes da conquista islâmica, a maioria dos egípcios condenavam o cristianismo, e uma pequena minoria deles eram judeus. Em 639 d.C., durante o reinado do califa Omar ibn al-Khattab, Amr ibn al-Aas liderou um exército islâmico que veio do Levante e foi capaz de derrotar os romanos orientais no Egipto e apreendê-lo em 641 d.C., e estabeleceu a cidade de Fustat e tornou-se um estado islâmico afiliado ao califado e uma base para lançar as conquistas islâmicas no Norte de África.

Entre as igrejas arqueológicas mais proeminentes do Egipto, que os turistas preferem visitar durante as visitas ao topo do Grande Cairo, encontra-se a Igreja Pendurada, que é considerada uma Igreja Ortodoxa Copta localizada no bairro de Misr al-Qadima, perto da Mesquita Amr ibn al-As, da Sinagoga Ben Ezra, e da Igreja de São Jorge ao lado da fortaleza da Babilónia.


Pode experimentar a nossa visita guiada do Cairo ao Museu Egípcio, ao Cairo copta e islâmico ou a visita do Cairo copta e islâmico a partir do Cairo, ou 
Se não tiver tempo suficiente para ficar no Egipto e tiver uma escala no Cairo, pode fazer uma viagem copta ao Cairo a partir do aeroporto